agosto 06, 2007

Voltando...

A verdade é que não morri, não, apenas dei uma sumida básica. A vida tem dessas coisas, às vezes precisamos dar um tempo - por escolha nossa ou por escolha das várias coisas a fazer, quando então temos que priorizar algumas em detrimento de outras (não necessariamente por escala de importância).
Enfim, estou voltando devagarinho e resolvi começar por algo que ainda não fiz: participar de uma blogagem coletiva organizada pela Denise Arcoverde. Assunto: Amamentação. Então, os posts até amanhã (quando termina a SMAM - Semana Mundial da Amamentação) serão sobre o assunto, ok?
Pra começar vou postar uma matéria retirada do site do Ministério da Saúde.

Amamentação na primeira hora de vida pode salvar sete mil bebês a cada ano - 01/08/2007

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, lançou hoje a Semana Mundial da Amamentação (SMAM) no Brasil. O tema da campanha deste ano tem o objetivo de estimular o aleitamento materno na primeira hora de vida do bebê. Segundo o ministro, a ação no Brasil pode salvar a vida de aproximadamente sete mil bebês a cada ano.
"O primeiro leite que vem é o colostro, rico em anticorpos. Estatísticas apontam que cerca de sete mil mortes de bebês até o primeiro ano de vida no Brasil poderiam ser evitadas com a amamentação na primeira hora após o parto. Mas essa ação deve começar desde o pré-natal. Conversar com o médico, envolver seu marido, seu companheiro nessa discussão. É todo um processo de preparação para um momento tão importante", afirmou o ministro.
Segundo a Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno (Waba), que definiu o tema da campanha, a cada 10,9 milhões de óbitos de crianças menores de cinco anos, quatro milhões de bebês morrem no primeiro mês, e é possível salvar um milhão destas vidas, amamentando na primeira hora de nascimento. No Brasil, cerca de 27 mil recém-nascidos morrem todos os anos antes de completar um mês.
A proposta da Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno (Waba) é chamar a atenção para a importância da amamentação na primeira hora de vida tanto para a mãe quanto para o bebê, uma vez que o aleitamento materno chega a salvar vidas, além de proteger mais o bebê contra doenças; ajudar a mulher a ter leite mais rapidamente, e auxiliar nas contrações uterinas, diminuindo o risco de hemorragia.
"É necessário que a sociedade cobre melhores condições de vida e melhores condições de trabalho para todos. Assim a mãe pode aleitar no seio, calma, tranqüila, compartilhando esse momento fundamental para o bebê e a mulher", disse Temporão.
O leite materno é o único alimento capaz de oferecer todos os nutrientes na quantidade exata de que o bebê precisa para seu crescimento e desenvolvimento, razão pela qual não deve ser substituído. A amamentação também garante ao bebê proteção contra infecções, alergias e outras doenças e, à mãe, menos chances de desenvolver câncer de mama, diabetes e anemia pela diminuição do sangramento pós-parto. O ato de amamentar ainda contribui para que a mãe perca mais rapidamente o peso que ganhou durante a gravidez, bem como o ato de sugar é importante para o desenvolvimento da face, da dentição e da fala da criança e para a sua respiração. E, além de saúde, a amamentação fortalece o vínculo afetivo entre mãe e filho.
Bancos de leite
Atualmente, o Brasil dispõe de 197 unidades em todos os estados e no Distrito Federal, sendo 183 bancos de leite e 14 postos de coleta. No ano de 2006, foram coletados 112.625 litros de leite humano, doados por 90.175 mães e distribuídos a 131.613 bebês.
Mais informações
Assessoria de Imprensa do Ministério da Saúde
Tel: (61) 3315-2509 / 3315-3580
Plantão: (61) 9962-3752
Não sou mãe, não sei se serei algum dia, mas a única coisa certa é que, pra mim, não dá pra separar maternidade de amamentação. Você gera uma vida, carrega e alimenta durante todo o período de gestação, não consigo ver a "lógica" de dar uma mamadeira depois que nasce, não tem sentido. Se é algo que só traz benefícios, porque se privar?
Pra quem se interessou aí vai alguns sites sobre o assunto:

2 comentários:

Samantha Shiraishi disse...

Estou visitando as participantes da blogagem coletiva da Denise, da qual também orgulhosamente participo.
Parabenizo-a por participar sem ser mãe.

luma disse...

Também acho que quando a mulher resolve ter filhos, tem que assumir integralmente o fato e nisso inclui o ato de amamentar. Beijus